como melhorar a convivência nos condomínios

Medidas práticas para melhorar a convivência nos condomínios durante a quarentena

Um detalhe particular a quem presta serviços é a possibilidade de demonstrar seu valor e indispensabilidade. Antes seus condomínios precisavam do seu auxílio para geração de boletos, cobrança, diminuição das taxas de inadimplência, folha de pagamento e qualquer outro atendimento em seus planos. O desafio atual, entretanto, é descobrir como melhorar a convivência nos condomínios.

A pandemia causada pelo SARS-CoV-2 trouxe à tona a necessidade de um agente externo para desenvolver os problemas de relacionamento. A gestão de cobranças deixou de ser a maior parte do atendimento dessas empresas, as notificações de comportamentos indevidos e conflitos entre vizinhos emergiram as principais demandas de seus clientes.

Isso evidencia uma expectativa de longa data sobre como administradoras podem se fazer ainda mais presentes entre os condôminos. Muitas já organizavam festas, noites de food truck ou outros eventos para lazer, mas a exigência agora é de um papel ativo de comunicação, conscientização e auxílio.

Veja de que maneira sua administradora pode ter um impacto positivo nos condomínios:

Preservar o condomínio, seus moradores, funcionários e fornecedores

O primeiro, e talvez mais importante, papel da administradora é preservar a segurança e saúde de todos no ecossistema condominial. Isso inclui, além de moradores, funcionários do condomínio, visitantes, fornecedores e prestadores de serviço que eventualmente apareçam por lá.



Durante a quarentena de 2020, algumas medidas práticas que a administradora pode tomar foram destacadas:

  • Limitar o acesso às áreas comuns;
  • Limpeza constante de lugares com fluxo maior de pessoas, como halls e elevadores;
  • Manter apenas os colaboradores essenciais;
  • Juntamente ao síndico, garantir a segurança sanitária dos colaboradores que ficarem, disponibilizando lavatórios e álcool em gel, por exemplo.
  • Envio de avisos para conscientizar todos sobre as boas práticas essenciais de higiene. Lembre-os sobre a maneira correta de lavar as mãos, de cobrir boca e nariz ao espirrar, a importância do uso regular de álcool em gel após contato com superfícies etc.;
  • Maior controle sobre a entrada de fornecedores e entregadores – evitando a passagem de criminosos que desejam se aproveitar da situação;
  • Realização de assembleias remotas, virtualmente;

Como melhorar a convivência nos condomínios durante a quarentena

Além disso, existem diversas práticas “fora da caixa” que podem, e devem, ser estimuladas para criar um senso real de comunidade nos condomínios. Veja algumas ideias para colocar em prática:

Correntes de positividade

O distanciamento social, por exemplo, pode gerar ansiedade ou estresse para muitos. Por isso, você pode criar de uma corrente de positividade, com mensagens e atividades que podem ser realizadas em casa e individualmente para ajudar os moradores a superar momentos de insegurança devido à crise.

Atividades indoor

Recomende, ou disponibilize com seus próprios recursos, práticas que podem ser desenvolvidas nas unidades – mesmo em confinamento. Videoaulas ensinando exercícios físicos, yoga, dança, pintura e demais hobbies são opções.

Também, pode-se criar a alternativas para entreter as crianças, que tendem a ficar inquietas com a impossibilidade de sair de casa – e dependendo da idade podem não compreender a situação. Sugira brincadeiras, filmes e conteúdos educativos para entreter os jovens.

Estimule a ajuda comunitária

Evidencie a necessidade de auxílio solidário para pessoas que não correm maior risco ao sair de casa: como idosos e doentes crônicos. Fazer compras, buscar correspondência, ajudar com reparos na casa ou simplesmente conversar por telefone são ações simples, mas que fazem muita diferença.

Uma ação criativa é a criação de mini-dispensas comunitárias. Ao redor do mundo, há uma prática chamada Little Free Libraries (ou pequenas bibliotecas livres) que são caixas de madeira instaladas em bairros, onde vizinhos depositam livros usados para uso coletivo.

Durante a quarentena de 2020, esses espaços foram transformados em pequenas dispensas, com comida e utensílios de higiene para caso estivessem em falta na casa de alguém – para evitar viagens aos supermercados que além de lotados, enfrentavam dificuldade na reposição de estoque. As caixas são abastecidas pelos próprios vizinhos, que consumem somente o necessário. 

Promova ações interativas

Conecte os condôminos com base nos seus interesses. Podem existir pessoas que nunca interagiram, mas com gostos semelhantes dentro do próprio condomínio. Você pode oferecer um canal para aproximá-las a partir dos seus estilos de vida e hobbies.

Semelhante à salva de palmas em homenagem aos agentes de saúde, que aconteceu em diversas vizinhanças pelo mundo, você também  pode promover ações nas quais vizinhos interajam de suas varandas e janelas. Na Itália, por exemplo, músicos têm compartilhado seus talentos mesmo em quarentena.

Orientar sobre questões legais

Momentos de crise exigem o pleno conhecimento dos seus direitos, tanto como pessoa física, quanto como pessoa jurídica. Em estado de calamidade pública, como o declarado pelo governo brasileiro em decorrência da pandemia de COVID-19, também são passadas muitas Medidas Provisórias para conter os danos na sociedade e na economia.

Fornecimento de créditos, renda básica para trabalhadores informais, adiantamento de parcelas do INSS para aposentados… muitas dessas alterações foram colocadas em vigor, mas com o público ainda confuso sobre suas obrigações. Um papel importante que a administradora pode ter nesse momento é oferecer comunicados de orientação sobre os assuntos.

Não se atenha somente às leis voltadas às pessoas físicas. Possivelmente, também há empreendedores morando nos condomínios que você administra, por isso também compartilhe informações sobre medidas do governo para assegurar a sobrevivência de pequenas e médias empresas.

Trazer soluções para os problemas enfrentados

Durante os períodos de crise, síndicos e condôminos enfrentam problemas regulares, inclusive entre eles mesmos. Relacionamento e convívio são constantes que nem sempre o papel de mediador resolve, portanto a administradora também deve trazer soluções práticas para as dificuldades desses indivíduos.

Um exemplo exposto nas limitações impostas pela pandemia de COVID-19 foi a necessidade de evitar aglomerações de pessoas, o que impediu a realização das Assembleias Gerais Ordinárias em muitos condomínios. Com isso, muitas eleições de síndicos não foram realizadas, resultando em problemas como bancos bloqueando acessos às contas dos condomínios.

Em momentos como esse a administradora deve se fazer presente, trazendo soluções tecnológicas que resolvam esse gargalo. Uma alternativa para o problema descrito são as assembleias virtuais, que, ao viabilizar o voto remoto, também resolvem um problema de longa data desses eventos: o engajamento dos moradores.

Ou seja, momentos de crise são propícios para a adoção de novas tecnologias. Com elas, viabiliza-se novas maneiras de lidar com situações corriqueiras, evitando discussões alongadas nos condomínios.

Outro exemplo viável para os empreendimentos é a utilização de aplicativos. Os programas de celular já estão naturalizados na rotina de grande parte dos brasileiros e, se utilizados da maneira correta, resolvem muitos atritos na comunicação do condomínio. 

O WhatsApp, por exemplo, pode tanto ajudar, quanto atrapalhar na comunicação. Nestes casos recomenda-se a utilização de ferramentas específicas, desenvolvidas para resolver esses problemas. No Área do Condômino, app feito pela Superlógica, os moradores podem mandar mensagens diretamente ao porteiro, síndico ou zeladores, acessar 2ª via de boleto e demais documentos disponibilizados pela gestão do condomínio, e até votar nas pautas das assembleias.

Ser transparente nas informações

Por fim, a ação direta que vai demonstrar sua preocupação com o bem-estar dos condôminos será a transparência. Em meio a diversas preocupações e crises econômicas, muitos ficam receosos sobre a possibilidade do aumento de suas dívidas recorrentes, como o valor taxa condominial e os aluguéis.

É natural que você precise orientar e auxiliar o síndico no manejo eficiente dos recursos do condomínio. Se não está fazendo nada de errado e há justificativas plausíveis para tomar determinadas ações, não há motivos para omitir informações com os condôminos.

Seja transparente sobre os gastos e prestações de contas. Também, deixe claro que todas as decisões são tomadas para fazer com que a vida deles fique o mais confortável possível, mesmo em meio às adversidades.

Sobre a Superlógica

A Superlógica desenvolve o software de gestão líder do mercado brasileiro para empresas de serviço recorrente. Somos referência em economia da recorrência e atuamos nos mercados de SaaS e Assinaturas, Condomínios, Imobiliárias, Escolas e Cursos.

Nova call to action

Compartilhar

Comentários

comentarios