Conheça as tendências do mercado SaaS e XaaS para 2022 e os próximos anos

Por: Renan Landucci6 Minutos de leituraEm 12/04/2022Atualizado em 04/05/2022

As plataformas de software por assinatura já estão tão disseminadas entre os mais diversos públicos que não se pode mais dizer que o mercado SaaS é o futuro: ele já é o presente.

E o mesmo vale para outra sigla, embora ela seja menos conhecida: XaaS quer dizer Everything as a Service e refere-se ao modelo de negócio no qual tudo é comercializado como um serviço recorrente, a partir do pagamento de uma assinatura.

Além do já citado Software as a Service (SaaS), temos outras categorias de XaaS:

  • Platform as a Service (PaaS): um completo ambiente na nuvem para desenvolvimento e implantação de softwares e aplicativos.
  • Infrastructure as a Service (IaaS): fornecimento de toda a infraestrutura de computação, armazenamento e rede conforme a demanda do cliente.
  • Network as a Service (NaaS): serviço que conecta diversos serviços baseados na nuvem, dispensando ao cliente qualquer hardware para estabelecer uma conexão em rede.
  • Banking as a Service (BaaS): permite a qualquer empresa ofertar serviços financeiros (como cartão de crédito e conta digital) por meio da integração com uma instituição que já trabalha com operações de banco.

Neste post, vamos apresentar algumas tendências nessa área que gestores e empreendedores — não apenas de SaaS ou empresas de tecnologias, mas de negócios de qualquer segmento — devem ficar de olho.

Antes de falar sobre as tendências, porém, vamos contextualizar.

Por que o modelo XaaS se popularizou?

Em primeiro lugar, a expansão do modelo de negócios por assinatura, em que o acesso e usufruto de produtos ou experiências é comercializado como um serviço recorrente, tem tudo a ver com a geração atual de consumidores.

Os millennials têm mais interesse em experiências do que na posse de bens materiais. Por isso, tendem a aceitar bem o modelo de assinatura.

É claro que esse modelo não se tornaria tão popular se não apresentasse boas vantagens aos consumidores. Uma delas é flexibilidade, pois o usuário pode:

  • Mudar de plano a qualquer momento, caso suas necessidades mudem;
  • Cancelar a assinatura sem prejuízo nenhum, já que pagou apenas pelo período em que usufruiu do produto ou experiência.

Outra vantagem é a praticidade, pois a maior parte dos problemas relacionados ao uso do produto é resolvida pela empresa que vende a assinatura. Por exemplo: manutenção dos servidores de um serviço de IaaS ou manutenções preventivas em veículos de planos de assinatura de automóveis.

Em alguns casos, há também uma vantagem econômica. Um cinéfilo que assina uma plataforma de streaming pode assistir um filme por dia pagando muito menos do que pagava para locar fitas VHS ou DVDs no tempo das locadoras.

A atualização constante dos produtos — sejam eles físicos ou digitais, como um software em nuvem — é outra grande vantagem. Antes do modelo XaaS, o consumidor sofria com a obsolescência dos bens que adquiria.

Por fim, o modelo também é bom para os empreendedores: trabalhando com receitas recorrentes, a empresa tem um fluxo de caixa mais previsível, o que facilita o planejamento e dá estabilidade ao negócio.

5 tendências dos mercados SaaS e XaaS

A seguir, apresentamos algumas reflexões sobre tendências do mercado SaaS e XaaS que acreditamos que devem se acentuar em 2022 e nos anos seguintes.

1. Qualquer negócio pode virar um serviço por assinatura

De vez em quando, ainda surgem alguns negócios que viram notícia por serem pioneiros ao oferecer determinada categoria de produto ou experiência no modelo de assinatura.

Aos poucos, isso deixa de chamar a atenção, porque a ideia de que qualquer negócio pode ser um negócio de assinatura está se tornando mais natural entre as pessoas.

Essa é uma virada na percepção do público consumidor, que costuma associar o modelo XaaS a produtos virtuais, como softwares. Veremos cada vez mais assinaturas para os mais diversos produtos e serviços físicos.

A Rolls-Royce, por exemplo, que além dos carros de luxo produz motores de aeronaves, oferece aos clientes a opção de uma assinatura mensal que inclui todas as manutenções preventivas e é precificada em uma taxa mensal baseada nas horas de voo da aeronave.

Outro exemplo é a assinatura de locação de carros, voltada não para quem precisa de um automóvel esporadicamente, e sim para quem quer substituir a posse pelo acesso.

Um caso semelhante é o modelo Hardware as a Service (HaaS), no qual um negócio fornece toda a demanda de equipamentos que outra empresa necessita (computadores e tablets, por exemplo), protegendo o cliente do prejuízo da obsolescência dos dispositivos.

Por trazer vantagens tanto para o cliente quanto para o fornecedor, é natural que o modelo XaaS continue expandindo para as mais diversas áreas da economia.

2. Low-code e no-code<

Hoje, o desenvolvimento de softwares e aplicativos é um trabalho especializado, feito por profissionais com amplo conhecimento em linguagens de programação. Pois o surgimento das plataformas de low-code e no-code podem mudar um pouco desse cenário, permitindo que mais pessoas consigam criar soluções tecnológicas.

As plataformas low-code desenvolvem frameworks que facilitam o desenvolvimento. Na interface da plataforma, o usuário arrasta e encaixa blocos com códigos para criar os produtos, dispensando o trabalho de digitá-los e evitando erros.

Esse trabalho inicial pode ser feito por profissionais sem conhecimento técnico avançado, enquanto os especialistas de design aprimoram a usabilidade e os de TI validam o código gerado.

Já as plataformas de no-code democratizam ainda mais o desenvolvimento de softwares e aplicativos, porque permitem fazê-lo sem nenhum código, nem mesmo os blocos de código prontos, apenas com interfaces gráficas e configurações dentro da plataforma.

Esse modelo inclusivo permite um envolvimento maior dos designers no desenvolvimento e a integração entre profissionais de TI de diferentes níveis técnicos.

3. Cibersegurança e proteção de dados

Com a transformação digital absorvendo processos e modelos de negócio, é natural que criminosos explorem as vulnerabilidades dos sistemas virtuais para tentar lucrar.

Por isso, a cibersegurança e o escore de segurança estão entre as tendências de tecnologia para ficar de olho em 2022, de acordo com o Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper).

Segundo o artigo do Insper, “a adoção de uma malha de segurança cibernética, na qual soluções autônomas operam em conjunto para melhorar a segurança geral, seja na nuvem, seja fora dela, poderia reduzir o impacto financeiro causado por ataques maliciosos”.

O instituto ainda aponta como uma forte tendência a exigência do escore de segurança, uma pontuação medida por consultorias internacionais que classifica as empresas mais seguras, baseando-se em escalas preditivas.

Adotar todas as medidas possíveis para aumentar os níveis de segurança é muito importante para empresas do mercado SaaS e XaaS, ainda mais depois da publicação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que estabelece multas às empresas que não respeitarem suas disposições.

Além do risco do vazamento de dados de clientes, é preciso atentar para a segurança das informações da própria companhia: dados de funcionários, informações financeiras, projeções, métricas, relatórios e dados sobre projetos que ainda não saíram do papel, por exemplo.

Se reforçar a proteção no âmbito da TI é importante, há medidas simples, como treinamento de funcionários sobre questões básicas como senhas fracas e cliques em links maliciosos, que antes eram negligenciadas e agora devem se tornar mais comuns.

4. White-label

Produtos white-label são aqueles que não têm marca. No mercado SaaS e XaaS, há empresas que desenvolvem funcionalidades, produtos, serviços ou até plataformas completas e permitem que seus clientes — outras empresas — os comercializem com sua própria marca ou os utilizem para comercializar seus produtos.

Adquirir produtos white-label é uma ótima opção para empreendedores que desejam evitar o risco ou a complexidade de montar uma equipe técnica e desenvolver uma solução tecnológica por conta própria.

Muitas vezes, essa acaba sendo uma opção para agregar funcionalidades que não são essenciais para o core do negócio, mas trazem algum tipo de vantagem. Um exemplo é ofertar um cartão de crédito com a sua marca, usufruindo de um produto white-label de Banking as a Service (BaaS).

Especificamente no mercado SaaS, soluções white-label de delivery e e-commerce têm se tornado bastante comuns, permitindo a pequenos negócios terem seus próprios aplicativos de entrega e lojas virtuais sem pagar uma fortuna em desenvolvimento.

5. XaaS vertical

Tudo indica que os mercados SaaS e XaaS vão se tornar cada vez mais competitivos. Segundo a Zuora, os negócios de assinatura listados no Subscription Economy Index cresceram 4,6 vezes mais que o S&P 500, índice que concentra as ações das 500 principais empresas americanas.

Assim, a tendência é que o mercado continue atraindo novos players. Para se destacar na multidão, muitos vão apostar em uma estratégia de verticalização: focando em proporcionar o melhor produto e a melhor experiência em um nicho específico.

Essa tendência vale para produtos físicos e digitais. Exemplos:

  • Assinatura para fornecimento de equipamentos voltados para captação e edição de áudio e vídeo (câmeras, microfones e computadores com as configurações necessárias);
  • Software as a Service (SaaS) do agronegócio voltado especificamente para produtores de milho.

Com esse grau de verticalização, a empresa oferece um serviço mais personalizado ao cliente e escapa da concorrência de negócios que miram um público mais abrangente.

Conclusão

Observar e analisar o desenvolvimento dos mercados SaaS e XaaS é importante para empreendedores de todos os segmentos.

Mesmo que não seja vantajoso para uma empresa já estabelecida mudar para esse modelo de negócio, é bom ficar de olho na possibilidade de disrupção e nas oportunidades de parcerias com fornecedores XaaS para incrementar a experiência do seu cliente.

O que achou das tendências que mostramos neste post? Deixe um comentário abaixo com a sua opinião.

Leitura Recomendada