Cresce a presença de construtechs e proptechs no Brasil. Confira o estudo

Por: Fernando Souza2 Minutos de leituraEm 06/06/2022Atualizado em 06/06/2022

O ecossistema de inovação ligado à construção e ao mercado imobiliário mostrou resiliência na fase crítica da pandemia e agora está ainda maior. A 6ª edição do Mapa das Construtechs & Proptechs Brasil 2022, lançado pela Terracotta Ventures com apoio da Superlógica e de outros players, revelou que as construtechs e proptechs cresceram 13,8% em relação ao ano passado e já somam 955 unidades. 

Em relação ao volume de investimentos, o ano de 2021 registrou 67 rodadas de investimento em startups do setor, um crescimento de 11,6% sobre 2020. E o foco não foi apenas nos unicórnios. Dos R$ 5,83 bilhões movimentados no período, R$ 634 milhões foram alocados em techs de estágio inicial, o que configurou um aumento de 87%. 

Tais números indicam que há boa safra de startups com forte capacidade de crescimento rápido, o que aumenta a chance de atrair capital e desafiar tanto empresas tradicionais quanto techs emergentes já posicionadas no mercado.

Leia Mais: Os principais desafios enfrentados por mulheres empreendedoras

Fonte: Mapa das Construtechs & Proptechs Brasil 2022

O ano de 2021 também foi o recordista de M&As (Mergers and Acquisitions, ou fusões e aquisições) dos últimos cinco anos no setor, com 23 transações, quase metade do total do quinquênio. Em 54% dos casos de 2021, a compradora foi outra empresa de tecnologia de alto crescimento; nos demais 46%, foi uma grande corporação apostando na transformação digital para expandir seus negócios.

Diversidade e inclusão

O Mapa das Construtechs & Proptechs Brasil 2022 também se debruçou sobre a evolução da diversidade na composição das startups. O percentual mais significativo foi a presença de pelo menos uma mulher entre os cofundadores, em um quadro de 41,49% das startups respondentes.

Além disso, outros percentuais demonstraram importantes avanços sobre o levantamento de 2021: o de lideranças negras ou pardas, que subiu de 4,2% para 7,61%, e o de colaboradores LGBTQIA+, que saltou de 5,9% para 7,45%. 

O levantamento revelou ainda que a grande maioria dos fundadores dessas startups está na faixa etária entre 30 e 49 anos de idade. Outra questão abordada foi a localidade das startups. O estado de São Paulo concentra quase a metade das ativas do setor, com 43,12% do total, seguido por Santa Catarina (11,44%) e Paraná (10,45%). 

História da pesquisa

A análise foi criada com o objetivo de dar visibilidade às startups que estão no início da jornada, fomentar o empreendedorismo e ser um verdadeiro guia para as empresas do setor enxergarem oportunidades de agregar valor aos seus negócios. 

Mas tal levantamento só foi possível com a participação do MITHub – Hub de inovação que fomenta o ecossistema de construção e setor imobiliário – mantido pela Superlógica e coordenado pela Terracotta Ventures. 

Os estudos do hub permitiram a concretização do mapa que contou ainda com o apoio de players como Cyrela, Gerdau e Votorantim para ser publicado.

Leitura Recomendada