Acidentes em condomínios: como prevenir e evitar

Por: Flávio Fernandes3 Minutos de leituraEm 06/05/2022Atualizado em 09/05/2022

Acidentes em condomínios, assim como em qualquer outro lugar ou contexto, são sempre indesejáveis.

Mas são uma possibilidade real, mesmo nos condomínios mais equipados, nos de alto padrão ou naqueles com as construções mais novas.

Por isso, síndicos e administradoras de condomínios devem fazer o possível para evitar acontecimentos que coloquem em risco a segurança dos condôminos, funcionários e prestadores de serviço.

Neste post, vamos apresentar os eventos mais comuns, esclarecer o tema da responsabilidade sobre os acidentes e apresentar alternativas para preveni-los.

Boa leitura!

De quem é a responsabilidade por acidentes no condomínio?

O Código Civil determina como uma das competências do síndico zelar pela conservação e a guarda das áreas comuns do condomínio.

Assim, na ocorrência de um acidente em que a omissão ou descaso quanto a essa atribuição é constatada como uma das causas, o síndico pode ser responsabilizado civil ou criminalmente devido às consequências do ocorrido.

A responsabilidade civil se configura quando o acidente gera impacto — geralmente material e/ou financeiro — na vida de terceiros. Já a responsabilidade criminal ocorre no caso de o acidente causar prejuízos ou riscos à integridade física dos condôminos.

É importante deixar claro que nem todo acidente em um condomínio tem o síndico como possível culpado. Dependendo do caso, a responsabilidade também pode ser da própria pessoa lesionada ou de terceiros.

A questão é que o síndico — e, por extensão, a administradora — devem tomar as medidas necessárias no cuidado e conservação nas áreas comuns, para que essa não seja uma possível causa de acidentes.

A melhor maneira de evitar esse tipo de sinistro é com processos rigorosos de manutenção preventiva (no tópico seguinte, explicamos melhor).

Como evitar acidentes em condomínios?

Como acabamos de afirmar, a manutenção preventiva é a melhor estratégia para síndico e administradora prevenirem acidentes em condomínios.

A manutenção preventiva é aquela que se faz para antecipar um problema, verificando de forma regular e programada os equipamentos e estruturas do condomínio, além de trocar ou ajustar peças com desgaste ou muito tempo de uso.

Essa manutenção pode incluir a revisão de:

  • Estrutura do prédio
  • Elevadores
  • Portas
  • Portões
  • Escadas
  • Sistemas de combate a incêndio
  • Bombas de água
  • Calhas
  • Telhado
  • Instalações elétricas
  • Sistemas de refrigeração

A manutenção preventiva é muito mais eficaz para evitar acidentes que a manutenção corretiva — aquela que é feita depois que é constatado um problema em uma peça, equipamento, máquina ou estrutura.

Se não são feitas checagens e manutenções regulares no portão de acesso à garagem, por exemplo, o sensor que trava automaticamente o portão pode estragar, permitindo que ele feche em cima de um carro ou, pior ainda, de uma pessoa.

No exemplo acima, a manutenção corretiva ocorreria depois de constatado o problema — e essa constatação pode ser feita com um acidente. Nesses casos, o problema é consertado depois de causar danos, e não por conta de uma organização prévia.

Além de ser mais eficaz para evitar acidentes, a manutenção preventiva é mais barata e colabora com a valorização do patrimônio condominial.

CondoCheck: serviço que organiza as manutenções nos condomínio

O ponto central da manutenção preventiva é que ela precisa de constância. Deve haver um planejamento de manutenções para que esse cuidado não seja eventual, e sim uma norma.

Organizar esse processo pode ser um desafio, mas a administradora pode contar com o CondoCheck, fruto da parceria entre Superlógica e Grupo RV.

CondoCheck é um serviço que dá total suporte à administradora para manter seus condomínios preservados e valorizados com a manutenção preventiva.

O serviço inclui:

  • Vistoria predial: vistoria com o registro das condições de conservação e funcionamento das áreas comuns e unidades privativas, com cobertura de 24 meses.
  • Inspeção predial: registro das patologias prediais ou vícios ocultos, identificando causas e recomendando as melhores soluções seguindo a NBR 16747 da ABNT.

São analisados:

  • Instalações prediais de áreas comuns
  • Instalações elétricas, telefônicas, CFTV e TV a cabo
  • Sistema de combate de incêndio e rota de fuga
  • Cobertura, telhado e sinalização viária
  • Central de gás, grupo gerador e elevadores
  • Refrigeração (ar condicionado)
  • Casa de bombas de água potável e águas pluviais
  • Documentação (obrigações legais para funcionamento CNPJ)

Com o CondoCheck, o condomínio se valoriza e fica mais seguro, o síndico tem segurança jurídica e melhor organização orçamentária e a administradora padroniza sua gestão e qualifica sua carteira.

Para conhecer os planos, conferir mais informações sobre o CondoCheck e falar com nossos consultores, acesse o site do CondoCheck.

Nova call to action

Leitura Recomendada