Os aprendizados na construção da Contabilizei

Desde 2012,  Vitor Torres, CEO da Contabilizei, vem trabalhando para mudar o mercado da contabilidade. A empresa já atende mais de 5 mil clientes em diversos cantos do país e se tornou rapidamente o maior escritório de contabilidade do Brasil.

Como isso foi possível? A disrupção aconteceu, porque o serviço é oferecido completamente na nuvem e é voltado apenas para pequenas e médias empresas. Com esse foco, foi possível escalar a operação e oferecer um serviço mais barato que os escritórios tradicionais, segundo Vitor. Por exemplo, abrir uma empresa é gratuito.

A ideia do serviço surgiu quando Vitor enxergou algumas dores dos empreendedores (que eram dele também), como a burocracia contábil (uma pesquisa do Sebrae a alta burocracia contábil do Brasil como um dos principais problemas que os donos de negócio enfrentam).

Ele conseguiu vencer os desafios e hoje emprega mais de 200 pessoas, já abriu 4 mil empresas no Brasil, atende a 15 mil chamados ao mês e processou R$ 2 bi de faturamento.

“Empreender para mim é uma enorme aventura”, afirmou Vítor na palestra Os aprendizados na construção da Contabilizei realizada no Superlógica Xperience 2018. “Espero que esses aprendizados sejam úteis para vocês e que não custem dois anos como me custaram”, disse.

Abaixo você pode conferir o vídeo da palestra na íntegra e um artigo com os principais pontos. Ao final do texto também é possível fazer o download do PDF da palestra. Não esqueça de se inscrever na nossa newsletter e receber as principais novidades do evento e de conteúdos sobre economia da recorrência em primeira mão.

O impossível é possível!

A ideia de criar a Contabilizei se deu por conta das dificuldades que Vitor passou com escritórios de contabilidade quando tinha uma pequena empresa. “Tudo era online na empresa, desde banco até reuniões. Quando chegava o momento de falar com o contador, eu voltava algumas eras e ia para o papel”.

A partir disso, resolveu falar com alguns amigos da área para propor uma solução de transformar a contabilidade em algo na nuvem e com operação escalável. Foi desacreditado: disseram que era impossível fazer.



“Para tentar entender o problema, passei três meses em escritórios de contabilidade aprendendo tudo que seria possível. Atestei uma coisa: parecia impossível mesmo”, comentou. “Por conta do emaranhado de leis e diversos processos diferentes para cada tipo de empresa, era muito complexo mudar e conseguir transformar aquilo em algo escalável. Entretanto, eu não desisti”.

Vitor percebeu que a forma de transformar isso em algo escalável foi focar em um segmento de mercado com empresas de um determinado tamanho. Deu certo. “Existe muita gente no meio do caminho que vai desacreditar do seu projeto. Muita gente com anos de mercado dando carteirada. Mas entenda, isso não quer dizer que você não vai conseguir e sim que elas não conseguem”.

Compartilhe sua trajetória com as pessoas certas

Depois de ter colocado a ideia na cabeça de transformar a contabilidade na nuvem, Vitor partiu para achar dois perfis de pessoas: um contador e um desenvolvedor. Ele testou com dois programadores. O primeiro aceitou o desafio, mas depois de três meses não entregava o que foi combinado. O segundo também.

“O problema é que eu procurava um desenvolvedor que estava fazendo o projeto no tempo livre. Eu concorria com outras coisas na vida dele, como o lazer”, lembrou. “Eu não precisava de um desenvolvedor, eu precisava de um sócio, um cara que compartilhasse o meu sonho e, por consequência, soubesse programar”.

Ele encontrou Fábio Bacarin, cofundador e atual CTO da empresa. Ele acabou abandonando um emprego como concursado, com estabilidade e vida tranquila. “Quando ele fez isso, eu soube que era a pessoa certa”.

Segundo Vitor, quando você encontra as pessoas certas para o seu negócio, ele desenrola. Não dá certo se vocês não aspiram as mesmas coisas ou não compartilham as mesmas ideias. A sua empresa vai precisar de pessoas que tenham conhecimento técnico, mas em primeiro lugar acreditem no produto e na visão do negócio.

Esteja disposto a deixar tudo para trás

“Eu não conheço um empreendedor forte que mudou uma indústria e não deixou tudo para trás na hora de criar a sua empresa”. Para criar a Contabilizei, Vitor ficou um ano inteiro sem receber e abandonou a estabilidade no momento do nascimento da sua segunda filha.

Segundo Vítor, era impossível tocar a antiga empresa de educação corporativa e tentar fazer a Contabilizei. Ele não conseguia focar em duas coisas ao mesmo tempo. “No caminho, quando há obstáculos é muito fácil enxergar a via mais confortável para sair do rumo. Eu não podia ter essa distração”.

Ele decidiu dar o melhor dele durante um ano. Se desse errado, voltava para o caminho confortável. “Se eu não tivesse feito esse movimento, dificilmente eu mudaria uma indústria como consegui mudar”.

Apaixone-se pelo problema e não pela solução que vai oferecer

Segundo ele, um dos principais problemas de empreendedores é amar a solução que achou para um problema. Às vezes, quando você coloca no mercado, ela não funciona e você é massacrado. “A primeira reação de quem ama a solução é de achar que o mercado está atrasado e não você. Assim, a tentativa é de colocar a solução goela abaixo dos potenciais clientes, mas isso dá errado. O mercado que paga as contas, não você, Se apaixonar pelo problema faz você achar mais facilmente o market-fit”.

Assim, você se cega quanto ao problema. E se a solução não funcionar? Por isso, você deve se apaixonar pelo problema. Se você quer resolvê-lo, a solução não importa, você vai encontrá-la por tentativa e erro.

Seja o MacGyver do seu negócio

Vítor cita o personagem dos seriados norte americanos Angus MacGyver que, durante a série, conseguia achar soluções mirabolantes com poucos instrumentos. “Ele consegue fazer uma bomba atômica, embaixo de uma árvore com uma pilha e uma maçã”.

Ele faz a analogia dizendo que o empreendedor precisa saber de tudo um pouco dentro de uma empresa, desde estratégia até marketing digital. “Quando a empresa crescer, todo aprendizado dela estará com você. Será possível participar de qualquer reunião, de qualquer área e saber desenvolver sobre o assunto. O conhecimento será holístico”.

Além disso, o empreendedor, principalmente no princípio, não terá dinheiro para tudo. Será necessário desempenhar diversas posições dentro da empresa. No futuro, você terá bagagem para contratar e treinar outras pessoas mais específicas, avaliando a performance delas.

“Não é para ser o melhor de todas as áreas, mas saber o necessário para fazer com que a empresa consiga decolar”.

Fuja da média!

Não importa o tanto que você tente, o quanto você queira que a sua empresa seja excepcional, em um momento do crescimento algo puxará você para a média. Mas Vitor tem um remédio para isso: continuar com o propósito, aquilo que te motivou a criar aquele negócio e fez você se apaixonar pelo problema.

“No meu caso, é conseguir ajudar os micro e pequenos empresários. Hoje, 98% dos CNPJs são deles. Eles produzem 30% do PIB e são responsáveis por 50% da mão de obra formal do país. Eu acredito que, se eu quiser transformar o Brasil em um país melhor, eu preciso melhorar a vida deles. Esse é o meu objetivo e meu propósito. Você precisa encontrar o seu”.

Sobre a Superlógica

A Superlógica desenvolve o software de gestão (ERP) líder do mercado brasileiro para empresas de serviço recorrente. Somos referência em economia da recorrência e atuamos em cinco segmentos de mercado: SaaS e Assinaturas, Condomínios, Imobiliárias, Educação.

A Superlógica também realiza o Superlógica Xperience, maior evento sobre a economia da recorrência da América Latina, e o Superlógica Next, evento itinerante falando sobre a transformação digital e os desafios do mercado de condomínios.



Compartilhar

Comentários

comentarios