Como funciona a inteligência artificial?

Como funciona a inteligência artificial? Como aplicá-la?

O número de dados que produzimos nos dias de hoje é imensamente maior do que a que tivemos em toda a história da humanidade (e esse número vai aumentar cada vez mais). Dessa maneira, se torna essencial entender como funciona a inteligência artificial

De acordo com levantamento da IBM, 90% dos dados disponíveis foram gerados nos últimos anos. E desses dados não temos apenas aqueles estruturados, como tabelas do Excel. Um levantamento da Associação Internacional de Editores, Cientistas e Técnicos da Medicina concluiu que são publicados mais de 2,5 milhões de estudos científicos anualmente. Além disso, temos dados gerados a partir de postagens de redes sociais, e-mails, programas e tudo que possa se transformar em informação. 

“Esse volume sobe exponencialmente e a capacidade de processamento do cérebro humano evolui de maneira linear. A gente não consegue acompanhar esse mundo de dados!”, afirmou Roberto Celestino, líder de vendas do Watson na IBM. “A inteligência artificial surge para auxiliar a acompanhar essa velocidade gigantesca de atualização de dados, fazendo negócios mais eficientes, melhorando o meio corporativo e pessoal”. 

Roberto apresentou a palestra “Como você usa a inteligência artificial hoje” no Superlógica Xperience 2019. Não é coisa de ficção científica, é apenas ciência da computação aplicada para resolver problemas. Você pode conferi-la no vídeo abaixo ou durante todo o artigo.

Para não perder nenhuma novidade do conteúdo publicado, se inscreva no nosso canal do youtube e assine o nosso podcast, “Economia da Recorrência”, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcast e todos os principais agregadores.

Como funciona a inteligência artificial? O que ela é?

Segundo definição do próprio Roberto, “inteligência artificial (IA) é o ato ou capacidade de imitar o pensamento humano”. A definição surge na década de 1950, com Alan Turing, descrito por muitos como o “pai da computação”. 

Turing criou um teste que é capaz de validar se um sistema tem pensamento autônomo ou não. Ele consistiria em uma conversa textual entre um ser humano e duas pontas, um computador e outro ser humano. Se, no meio da interação, o primeiro ser humano não conseguir diferenciar o que é máquina e o que é ser vivo, então diríamos que a máquina tem um pensamento autônomo, o que foi denominado Teste de Turing. 

Pensar é uma característica estritamente humana! Estamos fazendo com que as máquinas consigam reproduzi-la ao lado de outras competências como ouvir, falar e aprender”, destacou Roberto Celestino. Quando ele fala em aprender, ele fala sobre a absorção de conteúdo, seja em benefício próprio ou dos outros. 

Segundo ele, mesmo que falem de deep learning, rede neurais, processo de linguagem natural ou big data, “no final do dia, os principais objetivos da inteligência artificial são a automatização de tarefas repetitivas e a ajuda na tomada de decisões mais assertivas por conta dos seres humanos, essencial, principalmente, no meio corporativo”. 



Quais as maneiras que a inteligência artificial atua no meio corporativo?

Roberto listou alguns usos, nos mais diversos departamentos, da inteligência artificial nas empresas:

  • Vendas: identificar o churn (cancelamento de contratos) e qual a melhor oferta para oferecer para os clientes;
  • Marketing: personalizar o conteúdo entregue para o cliente e melhorar a oferta para ele; 
  • Saúde: auxiliar no diagnóstico de novas doenças e oferecer um tratamento personalizado para o paciente;
  • Supply chain: auxiliar na tomada de decisão para que os sistemas operacionais não caiam com o tempo;
  • Departamento pessoal: auxiliar nas trilhas de conteúdo para desenvolvimento profissional e na identificação de melhores talentos quanto ao recrutamento e seleção;
  • Atendimento: automatizar contatos mais simples com os clientes e permitir que os funcionários foquem nos atendimentos mais complexos.

“Hoje em dia, inteligência artificial é aplicada em qualquer empresa! Seja em menor ou maior grau”, destacou Roberto. 

Ele trouxe dados para corroborar isso. Segundo a Gartner, até 2020, 85% dos CIOs estarão pilotando projetos de inteligência artificial. Já de acordo com a IDC, 75% dos aplicativos corporativos comerciais usarão IA, até o mesmo ano. 

Como a inteligência artificial atua dentro da sua empresa

Uma das principais atuações da IA é a que acontece no seu backoffice, “debaixo do capô da empresa”. “A inteligência artificial pode atuar interpretando conteúdos textuais e transformando-os em dados”, explicou Roberto. 

Segundo ele, todos os processos que envolvem o trabalho de um ser humano e que são trabalhosos, podem ser realizados de maneira mais eficiente por uma máquina. “Assim, o funcionário pode ficar focado em interpretar as informações ao invés de realizar esse trabalho manual”. 

Exemplos de aplicações da inteligência artificial no contato com o cliente

Por fim, Roberto também deu exemplos do dia a dia da atuação da inteligência artificial. São eles:

  • Saint Paul e LIT: entrega de conteúdo de ensino em uma plataforma com micromomentos (aqueles em que você está saindo da sua casa, indo para o trabalho, etc.). O conteúdo também é adaptado de acordo com a personalidade da pessoa; 
  • Volkswagen: manual de carro transportado para um aplicativo que diminui a necessidade de pesquisá-los manualmente. Também com função de leitura deimagens que interpreta o que o painel quer dizer; 
  • BIA, do Bradesco: um assistente virtual, que funciona como mais uma opção de canal de relacionamento com o cliente. A BIA leva até 3 segundos para tirar dúvidas e realizar diversos serviços, como consultas de saldo e extrato, transferências, pagamentos de conta, investimentos, recargas de celular, empréstimos, entre outras transações. Cerca de 9 milhões de clientes já usaram a inteligência artificial da BIA;
  • Museu do Amanhã: criou a IRIS+, assistente cognitivo construído com IBM Watson – desenvolvido não somente para responder aos visitantes, mas também formular perguntas. Após motivar uma reflexão ao longo da mostra sobre a atual época geológica em que vivemos, o Antropoceno, a intenção com a IRIS+ é encorajar o visitante a pensar sobre seu papel na sociedade e a agir para um amanhã mais consciente, tolerante e sustentável.

Como adotar inteligência artificial na sua empresa?

Segundo Roberto, inteligência artificial é um processo. “Você vai começar com uma pequena atividade, de baixa complexidade, bem simples. A partir do momento que ela dar certo, você vai poder expandir para outros setores”. 

Segundo ele, é tudo uma grande jornada. “Você pode começar tanto com o front office (contato direto com o cliente) ou o backoffice (operações internas da empresa). Depois que funcionar, vai acabar expandindo para as outras áreas e, assim, facilitar os seus processos”. 

Sobre a Superlógica

A Superlógica desenvolve o software de gestão líder do mercado brasileiro para empresas de serviço recorrente. Somos referência em economia da recorrência e atuamos nos mercados de SaaS e Assinaturas, Condomínios, Imobiliárias e Educação.

A Superlógica também realiza o Superlógica Xperience, maior evento sobre a economia da recorrência da América Latina, e o Superlógica Next, evento que apresenta tendências e inovações do mercado condominial.

Nova call to action

Compartilhar

Comentários

comentarios