paulo-tenorio

Paulo Tenório: “Quem vende 100, vende 5 mil”

Não importa a área de atuação, empresas têm apenas um objetivo: solucionar problemas, de qualquer tipo. Se há algo que pode ser resolvido, há uma maneira de ganhar dinheiro ali. “Quando eu comecei a empresa em 2013 eu nem sabia o que era startup”, comentou Paulo Tenório, CEO da Trakto. “Eu percebia que as pessoas tinham um problema e eu criei uma solução para resolvê-lo. Só depois que fui aprender sobre o mundo dos negócios”.

No dia a dia, trabalhando como freelancer, Paulo percebeu uma coisa: as pessoas tinham extrema dificuldade em se vender e não sabiam como montar acordos comerciais para cobrar dos clientes. Por isso, criou a Calculadora de Diária, um app mobile que montava propostas comerciais.

Só que havia um porém: o negócio não era rentável. “Eu fiz uma conta de padeiro: considerei que o app iria custar 10 reais na app store, o que era uma fortuna na época. A app store fica com 30%, eu gasto 2 reais para adquirir cada cliente. Sobra 5 no fim para mim”, comentou Paulo. “Eu imagino que qualquer empresa precisa de pelo menos R$ 50 mil por mês para se sustentar. Para isso, eu precisava vender 10 mil apps por mês! Não ia dar certo”.

Paulo decidiu que era o momento de pivotar. Assim, a Calculadora de Diária deixou de ser um app e se transformou na Trakto, plataforma SaaS de marketing digital. Hoje ela tem 5 módulos: propostas comerciais, apresentações, redes sociais ebooks e impressos. Ela produz material de divulgação para esses 5 segmentos.

Nova call to action

O problema que ele tinha descoberto não afetava apenas os brasileiros. Eles estavam no mundo todo. A Trakto, após passar por programas de aceleração no Vale do Silício, tem hoje clientes em 7 países com 4 idiomas diferentes: português, inglês, espanhol e Alemão. Ao todo, tem mais de 2 mil clientes. “Meu objetivo desde o início é ultrapassar a marca dos 5 mil”, afirmou Paulo. “Quem vende 10, vende 100. Quem vende 100, vende 1 mil. Quem vende 1 mil, vende 5 mil”.

A estratégia global começou no sangue da Trakto. Por se localizar em Maceió (AL), as maiorias dos clientes vinham de fora. “A gente teve de fazer desde o início uma internacionalização do produto. Ou melhor uma inter regionalização”, comentou. “Desde o início, tivemos que focar em estratégias de aquisição online e posicionamento da marca no meio digital”.

Todo esse posicionamento internacional acabou rendendo uma participação no Global Entrepreneurship Summit 2016, em Stanford, organizado pela Casa Branca. “Foi muito legal! O Obama estava lá além de muitos empreendedores de todo lugar do mundo”, contou. “Uma coisa que eu aprendi é que a gente é muito privilegiado.  A gente não tem ideia das dificuldades que uma mulher no Paquistão tem para empreender ou até numa Noruega, Peru e Colômbia. Eles olham para a gente com muita inveja do potencial de acesso a capital e da liberdade que nós temos”.

Paulo é um dos palestrantes do Superlógica Xperience 2018, maior evento de assinaturas e SaaS da América Latina. Amanda Camasmie, head de marketing da Superlógica, e Heitor Facini, redator do blog da Superlógica, bateram um papo com ele sobre a trajetória e os desafios que enfrentou na sua jornada com a Trakto.

Ele é o terceiro dos participantes da segunda temporada do Podcast do Xperience, que irá ao ar toda a quinta-feira até a data do evento. Não se esqueça de se inscrever no nosso Soundcloud e no iTunes, para receber com antecedências as novidades do podcast. Semana que vem a entrevista será com Emília Chagas, CEO e co-fundadora da Contentools, plataforma de gestão de equipes de marketing de conteúdo.

Podcast #Xperience S02E03 – Paulo Tenório

O que você vai ouvir neste podcast:

1:36 – Começo no empreendedorismo abrindo um estúdio de design e animação;

3:02 – O Trakto tem 5 módulos: propostas comerciais, apresentações, redes sociais, ebooks e materiais impressos;

4:10 – Início do Trakto e Calculadora de Diárias;

7:15“Quando eu comecei, eu não sabia o que era startup”;

8:30 – Pivotar do aplicativo para dispositivos móveis para uma plataforma web. Assim, paulo tinha mais autonomia com ela.

9:40 – Introdução ao modelo de recorrência;

11:50 – “Muita gente busca o capital do investidor logo de primeira. Eu fiz o contrário. Tinha muito medo de pegar”;

12:45 – Antes de fechar investimentos, Paulo queria criar um modelo de negócios sustentável, que parasse em pé sozinho.

13:50 – Primeiro investimento anjo;

15:33 – “O lugar mais fácil para levantar dinheiro para brasileiro é aqui no Brasil. Nos Estados Unidos é muito difícil”;

18:29 – “Não existe um ecossistema de startups de fato no Nordeste”;

19:31 – Problema na concentração de renda em Maceió gera problemas na formação de talentos;

20:00 – Quem trabalha com startup e tecnologia aqui tem “sangue nos olhos”;

22:15 – Por conta do público consumidor não ser de Maceió, a Trakto precisou se internacionalizar. Ou melhor, como Paulo diz, se “inter regionalizar”;

24:20 – Como foi participar do Global Entrepreneurship Summit 2016, em Stanford, organizado pela Casa Branca e como o impeachment incentivou o Trakto a se internacionalizar;

26:36 – “A gente reclama muito aqui no Brasil. A gente não tem ideia de como uma mulher no Paquistão passa dificuldades para empreender”;

28:26 – “O Brasil tem um mercado muito grande para as empresas explorarem”;

29:20 – É essencial focar num processo de contratação e criação de uma equipe muito bom;

30:33 – O empreendedor precisa saber até quando vai o dinheiro dele e quando ele vai acabar;

31:05 – Empreendedores têm que tomar cuidado com histórias de sucesso. Elas só mostram o lado bom e deixam de lado o que aconteceu de errado;

32:49 – Entenda o porquê o seu cliente vai querer utilizar o seu serviço;

33:38 – “Quem vende 100, vende 5 mil”;

Confira todos os nossos episódios!

 



Compartilhar

Comentários

comentarios