Core Web Vitals: o que as novas métricas do Google têm a ver com a sua imobiliária?

Para ter sucesso em um mercado cada vez mais digitalizado, as imobiliárias precisam de uma boa presença virtual, com perfis ativos nas redes sociais e um site bem otimizado segundo as métricas Core Web Vitals, do Google.

Assunto principal deste post, essas métricas foram anunciadas pelo Google como critérios para avaliar a qualidade da experiência do usuário com um site.

Mas para que serve isso e que tipo de mudanças práticas as Core Web Vitals trazem para as imobiliárias? É o que veremos ao longo deste artigo.

Boa leitura!

O que são as Core Web Vitals?

Core Web Vitals são métricas criadas pelo Google para analisar três aspectos da experiência do usuário com uma página ou site na web: tempo de carregamento, interatividade e estabilidade visual.

As métricas incrementam o Google Page Experience, um conjunto mais amplo de critérios que medem a experiência do usuário (mobile friendly, navegação segura, https e ausência de pop-ups que interrompem a navegação).

Para que servem as métricas de experiência do Google?

Experiência do usuário é uma série de parâmetros que têm a ver com a interação de um internauta com as páginas da web. Se ele consegue navegar com velocidade e fluidez e encontrar facilmente o que procura, por exemplo, isso significa que o site tem uma boa experiência.

No caso do Google, como buscador, seu propósito é mostrar aos usuários as páginas que apresentam o conteúdo que eles estão procurando. Para isso, usa algoritmos para filtrar e classificar os sites da web, exibindo no topo da página de resultados os melhores.

As métricas de experiência estão entre os critérios que ajudam o Google a reconhecer quais páginas devem ficar em primeiro.

Em suma: quanto melhor a experiência proporcionada ao usuário, maior a chance de o site estar bem classificado entre os resultados do buscador e, consequentemente, maior será o tráfego (e o fluxo de clientes em potencial) no site.

Quais são as métricas Core Web Vitals?

Os três aspectos de que falamos antes (tempo de carregamento, interatividade e estabilidade visual), são avaliados por três métricas: LCP, FID e CLS, respectivamente.

A seguir, você vai entender o que cada uma efetivamente mede.

Largest Contentful Paint (LCP)

“A métrica considera o tempo que o site leva para carregar o maior bloco de conteúdo da área crítica (a primeira tela que o usuário visualiza assim que acessa um site), seja ele em texto ou imagem”, explica Gustavo Sartori da Lume Growth Partner, consultoria especializada em projetos de SEO e Google Analytics.

Para um LCP ser considerado positivo, o carregamento precisa acontecer em até dois segundos e meio. Os elementos considerados no cálculo são:

  • <img>
  • <image> dentro de um elemento <svg>
  • <video>
  • Elemento com imagem de background, carregado via função URL ()
  • Elemento block-level contendo textos

First Input Delay (FID)

“Essa métrica considera o tempo que a página leva para responder após alguma interação do usuário, seja um clique em um botão, banner ou slider”, ensina Gustavo Sartori.

Se o usuário clicar e nada acontecer em mais do que 100 milissegundos, isso já é considerado um atraso de interação e o resultado da métrica será impactado.

Entre 100 e 300 milissegundos, o tempo é considerado “razoável”, e acima de 300 milissegundos, trata-se de um FID ruim, que necessita de otimização.

Cumulative Layout Shift (CLS)

“Essa é a métrica mais complexa das três. Ela considera o quanto os blocos de conteúdo já carregados se deslocam pela página à medida em que outros elementos são renderizados, trazendo mudanças inesperadas e instabilidade visual“, diz Gustavo Sartori.

Um exemplo é quando você acessa um site e, antes de conseguir ler um conteúdo, surge um banner ou anúncio que desloca o texto e as imagens para baixo.

Por que e como as imobiliárias devem otimizar seus sites segundo as Core Web Vitals?

A jornada de alguém que procura os serviços de uma imobiliária, seja essa pessoa um proprietário, locatário ou comprador, tem se digitalizado cada vez mais com o passar dos anos, como acontece com praticamente todos os segmentos da economia.

Considerando que mesmo as pequenas cidades têm mais de uma imobiliária, é muito importante aparecer em uma boa posição na página de resultados de um usuário que procura no Google por imóveis ou imobiliárias em determinado lugar.

Como avaliar o desempenho do site?

O primeiro passo para adequar um site aos critérios das Core Web Vitals é verificar como está o desempenho atual. Para isso, vale a pena dar uma olhada em algumas ferramentas que fazem a análise de URLs:

Como otimizar o site?

Depois de avaliar o desempenho do site segundo os critérios das Core Web Vitals, você pode orientar a equipe técnica da imobiliária (ou a agência digital responsável pelo site) a seguir algumas das recomendações abaixo, listadas pela equipe da Lume Growth Partner.

LCP

  • O site da imobiliária precisa de fotos dos imóveis em boa resolução, mas é essencial que elas estejam otimizadas. Ou seja, os arquivos das imagens precisam ser comprimidos e ocupar o menor espaço possível. Além disso, o servidor onde esse arquivo é armazenado deve ter capacidade de processamento suficiente para responder uma requisição em pouco tempo.
  • Adie requisições externas até que o usuário role a tela. Um bom exemplo é o plugin do Facebook para os usuários curtirem uma página. Aqui, a sugestão é deixar para carregar esse script no rodapé, após todo o conteúdo do site já ter sido carregado. Isso diminui o impacto no tempo de carregamento do site como um todo.
  • Mantenha o cache otimizado. Defina sempre um valor de TLL (Time to Live) superior a de 30 dias para arquivos com pouca edição, ou de pelo menos 7 dias para arquivos que são frequentemente alterados.
  • Utilize CDN sempre que possível. 

FID

  • Evite a execução de JavaScripts pesadas, quebrando tasks longas sempre que for possível.
  • Utilize carregamentos assíncronos (que ocorrem separadamente).
  • Faça poucas requisições e de arquivos pequenos.
  • Remova códigos não utilizados.

CLS

  • Sempre defina o tamanho dos elementos de imagem e vídeo. Especifique uma altura fixa e uma largura proporcional através de CSS aspect ratio.
  • Utilize CSS transform em animações.
  • Ao carregar conteúdos dinâmicos, como textos ou anúncios, defina a altura da DIV container desses elementos.
  • Confira widget/scripts de terceiros para anúncios, por exemplo, que podem “empurrar” o seu conteúdo.

Conclusão

O Google é um poderoso aliado das imobiliárias na busca por novos clientes. Um site otimizado, que proporciona boa experiência de navegação aos usuários, ajuda muito.

Mas lembre-se: as métricas de experiência, como as Core Web Vitals, não são os únicos aspectos avaliados pelo algoritmo do Google.

Ainda é essencial ter um bom conteúdo nas páginas, descrições de imóveis e, se possível, no blog da imobiliária.

Gostou de nossas dicas? Deixe um comentário abaixo com a sua opinião!

Compartilhar

Comentários

comentarios