assinatura eletrônica

Os diferentes tipos de assinatura eletrônica e suas aplicações

O processo de digitalização e desburocratização nas empresas está acontecendo de forma cada vez mais acelerada. E isso inclui a gestão de atas e contratos, através de aparatos legais e tecnologias que viabilizam a assinatura eletrônica de forma válida e segura.

Entretanto, não basta apenas gerar documentos digitais, assinados e rubricados à distância. Existe uma série de premissas e aspectos legais que devem ser considerados para a celebração ser reconhecida e, principalmente, não ser impugnada em contestações judiciais.

O conhecimento necessário vai desde os níveis mais básicos, como a diferenciação entre os tipos de assinatura eletrônica, até a noção sobre a legislação que sustenta esse recurso.

Esse assunto, tão importante para imobiliárias e administradoras de condomínios, foi abordado no Superlógica Next Live 2020. Fábio Rocha Pinto e Silva, associado sênior da Pinheiro Neto Advogados, apresentou a palestra “Tudo sobre Assinatura eletrônica simples, avançada e qualificada, e suas aplicações”.

→ Para conferir essa e as demais palestras do Superlógica Next, clique na imagem abaixo!

Banner dizendo, Acesse os conteúdos gravados do Superlógica Next 2020


Você verá neste artigo:

  1. Aspectos legais da digitalização de documentos
    1. Validade contratual
    2. O que é autenticidade de documentos?
  2. Leis e medidas para contratos digitalizados
    1. MP da Liberdade Econômica
    2. Decreto 10.278
  3. A assinatura digital com ICP-Brasil
    1. Como fazer um Certificado Digital?
    2. Existem outras certificações além da ICP-Brasil?
  4. Diferenças entre assinatura digital e assinatura eletrônica
  5. Os diferentes tipos de assinatura eletrônica
    1. Assinatura eletrônica simples
    2. Assinatura eletrônica avançada
    3. Assinatura eletrônica qualificada

Aspectos legais da digitalização de documentos

O primeiro elemento que precisa ser entendido por quem trabalha com contratos são os aspectos legais. O ponto de partida é o Código Civil brasileiro, que trata de forma abrangente os requisitos para a validade contratual.

O artigo 107 do CC trata do princípio da liberdade quanto a forma de contratação. Ou seja, quando a lei não condiciona a validade da declaração de vontade ao cumprimento de uma formalidade específica, a celebração do contrato pode ser feita de qualquer forma não contrária à legislação.

Assim, até mesmo um acordo verbal pode ser caracterizado como a declaração de vontade. Porém, naturalmente, essa não é a melhor forma de formalizar um contrato visto que uma impugnação via ação judicial pode ocorrer sem grandes dificuldades.

Também, deve-se atentar à questão das “formalidades específicas”. Em muitos casos, há a necessidade de seguir ritos formais, com contratos escritos, com firma reconhecida e a assinatura de testemunhas.

Além disso, existem componentes específicos, definidos no CC, para se garantir a validade jurídica no momento da contratação, sendo eles:

  • Agente capaz: a pessoa que se manifesta deve ter capacidade jurídica;
  • Objeto lícito, possível, determinado ou determinável: o conteúdo do negócio (o ato de dar, fazer ou não fazer) deve estar em conformidade com a lei, bem como ser possível de ser executado do ponto de vista físico e jurídico;
  • Forma prescrita ou não defesa em lei: quando a lei não especificar alguma formalidade, o contrato concretizado de forma escrita ou não;

Validade contratual

A descrição acima responde aos termos gerais da celebração de um contrato. Quando se trata de contratos escritos e contratos eletrônicos, existem outros elementos para considerar.

O primeiro ponto é que: os mecanismos utilizados para firmar um contrato eletrônico devem assegurar a integridade e a autenticidade do documento.

Integridade é garantir que o documento não foi fraudado ou alterado por terceiros após sua celebração pelas partes. Ou seja, o programa deve proteger o arquivo de adulterações, como acrescentar termos, folhas ou falsificação de rubricas.

Autenticidade é a possibilidade de verificar, com segurança a autoria da manifestação de vontade no documento. Ou seja, deve-se oferecer a certeza que foi o indivíduo responsável que o assinou.

New call-to-action

O que é autenticidade de documentos?

Os termos que  garantem a autenticidade de um documento está estabelecido no artigo 411 do Código de Processo Civil (CPC). Assim, o documento é considerado autêntico quando:

  • O tabelião (do cartório de notas) reconhece a firma do signatário;
  • A autoria estiver identificada por qualquer outro meio legal de certificação, inclusive eletrônico (certificado digital ICP-Brasil), nos termos da lei;
  • Não houver impugnação da parte contra quem foi produzido o documento.

Em princípios gerais, o reconhecimento de firma por parte do tabelião e a utilização dos meios legais de certificação são capazes de garantir integridade e autenticidade aos contratos. 

Se o documento não contar com algum desses meios, eles será presumido como autêntico até ocorra uma impugnação da parte contra quem ele foi produzido

Leis e medidas para contratos digitalizados

Atualmente, há uma lista de normas que trata da digitalização de contratos e da celebração dos contratos nato digitais. Assim, vale a pena analisá-los e, indispensavelmente, contar com uma consultoria jurídica capaz de interpretá-los para sua realidade.

As leis e medidas que tratam dos contratos digitais são:

Em sua palestra, Fábio Rocha Pinto e Silva, da Pinheiro Neto Advogados, destacou as três últimas. A seguir, você os destaques da Lei 13.874 e do Decreto 10.278. Para entender os detalhes da Lei 14.063, veja o final do artigo.

MP da Liberdade Econômica – Lei 13.874 de 2019

Um dos grandes destaques dessa Lei foi que ele dispensou a necessidade de guardar documentos físicos. De acordo com o inciso X, do art. 3º, é direito de toda pessoa, natural ou jurídica:

[…] arquivar qualquer documento por meio de microfilme ou por meio digital, conforme técnica e requisitos estabelecidos em regulamento, hipótese em que se equiparará a documento físico para todos os efeitos legais e para a comprovação de qualquer ato de direito público;

Pinto e Silva ainda deu destaque ao art. 18º, que trata da eficácia e regulamentação do descrito no inciso acima, perante ao Poder Executivo federal. Ou seja, ele descreve as características para comprovação de autoria e integridade nos documentos públicos e particulares.

I – para documentos particulares, qualquer meio de comprovação da autoria, integridade e, se necessário, confidencialidade de documentos em forma eletrônica é válido, desde que escolhido de comum acordo pelas partes ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento; e

II – independentemente de aceitação, o processo de digitalização que empregar o uso da certificação no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) terá garantia de integralidade, autenticidade e confidencialidade para documentos públicos e privados.

Decreto 10.278 de 2020

Ainda, é fundamental destacar o “regulamento” que define as técnicas e requisitos para armazenamento e manuseio para esses tipos de documento.

Primeiro, o Pinto e Silva destacou o art. 2º do decreto 10.278 de 2020, que determina a possibilidade a qualquer pessoa, natural ou jurídica, de produzir documentos físicos digitalizados.

Art. 2º  Aplica-se o disposto neste Decreto aos documentos físicos digitalizados que sejam produzidos:

II – por pessoas jurídicas de direito privado ou por pessoas naturais para comprovação perante:

a) pessoas jurídicas de direito público interno; ou

b) outras pessoas jurídicas de direito privado ou outras pessoas naturais.

Além disso, o art. 5º deste mesmo decreto explicita que para o documento digitalizado se equiparar ao documento físico ele deverá ser assinado digitalmente , com certificado digital no padrão ICP-Brasil.

A Assinatura Digital com ICP-Brasil

Até agora, abordamos os documentos físicos digitalizados. No entanto, atualmente, os documentos nato digitais também podem ser reconhecidos como válidos.

Essa possibilidade se deu a partir de 2001, com a criação da Infraestrutura de de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil). Documentos eletrônicos firmados com processo de certificação emitido por uma entidade credenciada à essa estrutura são presumidos como legítimos, fiéis e exatos.

Além de comprovar a identidade dos signatários, o certificado digital garante que o documento não será adulterado. Assim, os sistemas das juntas comerciais, bem como os cartórios de registro de imóveis, aceitam esse tipo de assinatura como válidos.

Como fazer um Certificado Digital?

O certificado digital é um token pessoal armazenado em mídia física (pen drive ou cartão de memória) ou na nuvem, com uso condicionado ao preenchimento com um código PIN. Para obtê-lo é necessário procurar uma autoridade credenciadora (AC) reconhecida pela ICP-Brasil.

Essa chave é importante não apenas para a assinatura de contratos, mas também para o envio de dados tributários através do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), como eSocial e o EFD-Reinf.

Baixe o eBook “Tudo que as administradoras de condomínios precisam saber sobre o EFD-Reinf




A assinatura digital, com o certificado, pode ser adicionada a um documento das seguintes formas:

  • Software leitor de PDF (como o Adobe Reader);
  • Software assinador;
  • Plataformas online para gerenciamento de assinaturas (como a DocuSign).

Para saber qual é a melhor maneira e as melhores plataformas, é importante solicitar a consultoria do seu sistema de gestão, informando-se sobre as integrações com seu ERP. 

Existem outras certificações além da ICP-Brasil?

Entretanto, a assinatura digital via ICP-Brasil não é a única forma de firmar contratos. Sendo elas autorizadas desde que admitidas pelas partes envolvidas, principalmente a quem for oposto ao documento.

Pinto e Silva destacou os principais efeitos jurídicos e práticos desses formatos. O principal deles, é que: o documento assinado não gozará da mesma presunção de autenticidade e integridade que os executados com certificado digital.

Ou seja, assim como o reconhecimento de firma em um documento físico o torna mais “íntegro”, a estrutura ICP-Brasil faz o mesmo para os nato digitais.

Diferença entre assinaturas digital e assinatura eletrônica

Outro detalhe importante, quando falamos de documentos firmados em ambiente virtual, é entender que assinatura digital e assinatura eletrônica não são, necessariamente, a mesma coisa. São conceitos diferentes, e com comportamentos na jurisprudência muito diferentes.

Assinaturas digitais são aquelas que obrigatoriamente utilizam um certificado digital ICP-Brasil. Isso, como mencionamos acima, dá garantia de integridade e autenticidade à assinatura.

Importante: nos contratos a assinatura é sempre feita por uma pessoa física, mesmo representando pessoa jurídica. Assim, um certificado digital de pessoa jurídica, como e-CNPJ, não são aceitos na formalização de contratos.

Já a assinatura eletrônica não faz uso, necessariamente, do certificado digital, sendo sua autenticidade comprovada a partir da coleta de evidências. Algumas das formas de assinatura eletrônica são: grafia com caneta touch ou mouse, geolocalização, foto e checkbox, entre outros.

A primeira é amplamente validada no ambiente jurídico, em alguns momentos até dispensando a necessidade de testemunhas na assinatura documento. Já a segunda, ainda tem uma jurisprudência bastante errática, sem uniformização pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Os diferentes tipos de assinatura eletrônica

Entretanto, a distinção entre os termos “assinatura digital” e “assinatura eletrônica” ganhou uma nova faceta com a Medida Provisória 983, que foi convertida na lei 14.063 de 2020. A nova lei, fez uma tripartição dos diferentes tipos de assinaturas, que são:

  • Assinatura eletrônica simples;
  • Assinatura eletrônica avançada;
  • Assinatura eletrônica qualificada.

Confira abaixo o que é contemplado em cada uma delas!

Banner dizendo, Simplifique a gestão da sua carteira de locação

Assinatura eletrônica simples

Assinatura eletrônica simples é a menos complexa, permitindo identificar o signatário e associar outros dados em formato eletrônico. Isso pode ser caracterizado pelo preenchimento de um formulário ou até uma marcação em um checkbox.

Assinatura eletrônica avançada

A assinatura eletrônica avançada exige a existência de um mecanismo que assegura de maneira unívoca a identificação do signatário. Aqui se encaixa a comprovação de autenticidade através de biometria, um código PIN individual ou qualquer outra tecnologia que comprove a associação entre o indivíduo e a assinatura do documento digital.

Assinatura eletrônica qualificada

Finalmente, a assinatura eletrônica avançada é aquela que utiliza o certificado digital ICP-Brasil, sendo que chamávamos anteriormente de “assinatura digital”.

Com essa tripartição, as Juntas Comerciais também passaram a aceitar a assinatura eletrônica avançada. No caso dos registros de imóveis, no entanto, ainda é exigida a assinatura eletrônica qualificada.

Para entender tudo sobre assinaturas eletrônicas, confira a palestra de Fábio Rocha Pinto e Silva no Superlógica Next Live 2020!

Sobre a Superlógica

A Superlógica desenvolve o software de gestão líder do mercado brasileiro para empresas de serviço recorrente. Somos referência em economia da recorrência e atuamos nos mercados de SaaS e Assinaturas, Condomínios e Imobiliárias.

Compartilhar

Comentários

comentarios