Mais 5 métricas financeiros essenciais para a gestão escolar

Fazer um monitoramento do desempenho financeiro da sua instituição de ensino envolve acompanhar uma série de números que representam a saúde do seu caixa. Essa análise também demonstra as estratégias de negócio, marketing e corte de despesas necessárias.

A Superlógica, desenvolvedora do sistema para escolas e cursos livres, já lhe apresentou cinco métricas essenciais para a sua gestão (confira aqui). Agora, apresentamo-lhes outras cinco, que o ajudarão na otimização do seu planejamento.

Você vai ver nesse guia:

  1. Taxa de inadimplência
  2. Taxa de ocupação
  3. Receita Recorrente Mensal
  4. Ticket Médio 
  5. Métrica Estrela Guia



Taxa de inadimplência

As taxas de inadimplência escolar não são alarmantes como às de cartão de crédito. Contudo, para os pais, pagar a mensalidade não supera a prioridade de quitar as contas dos serviços essenciais – luz, água, gás, plano de saúde, por exemplo.

O atraso nos pagamentos não só danifica o seu fluxo de caixa, mas em casos críticos influenciam no desenvolvimento pedagógico e no pagamento dos salários dos colaboradores.

Antes de se desesperar, conheça a média deste índice em sua região ou estado. De acordo com o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp), a taxa para escolas particulares paulistas no primeiro trimestre de 2018 foi de 7,34%.

Lembre-se, para obtê-la você deve ter em mãos os valores de todas as mensalidades pagas e os valores de todas as mensalidades não pagas em um determinado período.

Taxa de ocupação

Na busca constante de otimizar sua rentabilidade, não observar com cuidado quais são as suas taxas de ocupação ideais para cada turma trará muita dor de cabeça. Sem o cuidado adequado nesse tópico, você corre sério risco de acabar pagando para ter alunos em determinados cursos e turmas.

Ou seja, não simplesmente abra uma turma e defina a quantidade de alunos dela com base no achismo. Quantifique isso, encontre o número mínimo de alunos para que ela se pague – o breakeven.

Para obtê-la, será necessário calcular o custo total da turma – material, manutenção, professores etc. – para depois dividi-la pela mensalidade média cobrada. 

Com essa métrica no papel, agora será o momento de formular estratégias para a captação dos alunos que preencherão a sala.

Dica: Focar nas turmas iniciais oferecidas, poupa muito do trabalho futuro, e lhe agrega valor total no futuro!

Receita Recorrente Mensal (MRR)

Empresas que recebem de maneira recorrente, como instituições de ensino que tradicionalmente cobram mensalidades, têm uma denominação diferente para a receita gerada no mês. O MRR deriva do termo em inglês Monthly Recurring Revenue.

Neste caso, não basta saber as receitas geradas, também é preciso saber como compará-las. Em modelos diferentes, como no varejo, seriam observadas as variações de um mês para o outro.

Para escolas esse tipo de análise não funciona, afinal têm períodos do ano específicos em que entra mais – ou menos – dinheiro no caixa.

A conta deve ser feita somando apenas com os valores recebidos mês a mês, ou seja, não entram taxas de adesão, compras de uniformes e material didático.



Ticket Médio

Para quem conhece o termo parece óbvia a importância de saber qual é o seu Ticket Médio. Porém, é muito comum que alguns gestores não saibam o que é isso, ou pior, não há ninguém em sua instituição de ensino fazendo esse monitoramento.

Estamos falando do valor médio que seu estudante paga à sua escola. Sabendo isso e suas variações, você terá noção se seu serviço está ganhando ou perdendo valor. Bem como poderá (e deverá) rever a sua precificação.

Some o seu MRR aos serviços e atividades extras – como esportes, línguas e dança -, e divida pelo número de matrículas. Lembre-se de não contabilizar aqueles alunos com 100% de bolas, afinal, eles não geram receita.

Métrica Estrela Guia

De nada adianta ter o completo domínio de suas métricas financeiras se a instituição de ensino não está cumprindo o seu papel primordial: ensinar. No final das contas, o grande propulsor para alimentar a saúde da empresa é o sucesso que os alunos estão obtendo com o serviço.

Para medir isso, existe um indicador chamado métrica estrela guia: um ou dois números que representam sua atuação e razão de existir.

Para escolas com ensino médio, por exemplo, pode-se considerar o desempenho geral dos alunos nos vestibulares (ENEM, Fuvest, Unicamp). Para o ensino fundamental, as notas da Prova Brasil podem ser relevadas.

No entanto, é importante buscar a melhor métrica, aquela que sintetize seu propósito. Notas de provas não dizem tudo, afinal também é missão das escolas formar cidadãos, de maneira que eles tenham capacidade de colocar em prática o conhecimento adquirido e possam refletir sobre o mundo.

Confira a Métrica Estrela Guia de algumas grandes empresas:

Sobre a Superlógica

A Superlógica desenvolve o software de gestão (ERP) líder do mercado brasileiro para empresas de serviço recorrente. Somos referência em economia da recorrência e atuamos nos mercados de SaaS e Assinaturas,Condomínios, Imobiliárias e Educação.

A Superlógica também realiza o Superlógica Xperience, maior evento sobre a economia da recorrência da América Latina, e o Superlógica Next, evento que apresenta tendências e inovações do mercado condominial.

Nova call to action

Compartilhar

Comentários

comentarios