As 6 métricas mais importantes para SaaS

As 6 métricas mais importantes para SaaS

Pode parecer estranho, mas nem toda empresa que trabalha com assinaturas ou pagamentos recorrentes é capaz de monitorar métricas essenciais.

No caso de uma empresa que trabalha com SaaS (software como serviço), cuja construção se baseia no constante exercício de teste e validação, possuir indicadores de desempenho (KPIs) que mostrem o negócio por múltiplos ângulos é fundamental para o crescimento e s sucesso.

Medir é condição básica para ter controle sobre suas ações, estabelecer correções e adequar constantemente seu produto ou serviço às novas exigências do mercado.

Assim, se a sua empresa desenvolve um software como serviço, mas não consegue estabelecer métricas para gerenciamento dos resultados (ou, pior, conhece as métricas, mas não sabe como relacioná-las), este texto é de fundamental importância!

Se você quer se aprofundar no quesito métricas SaaS, desenvolvemos um e-book sobre este assunto – clique aqui.

Quais são as métricas essenciais para SaaS? (SaaS metrics)

Churn ou índice de cancelamento

Segundo um dos maiores nomes do marketing, Phillip Kotler, captar novos clientes custa, em média, de 5 a 7 vezes mais do que manter os já existentes. A razão para isso é muito simples: o cliente atual já foi convencido da seriedade da sua marca, bem como da relevância de seus produtos ou serviços. Comercializar novas versões (up-selling) ou vender produtos complementares (cross-selling) a esse consumidor já consolidado envolverá certamente um esforço muito menor do que seria necessário caso estivéssemos lidando com um novo cliente (saiba mais sobre up-sell e cross-sell clicando aqui). Isso implica na necessidade de monitorar com extrema atenção sua base ativa, algo que pode ser feito com a avaliação da taxa de churn (índice de cancelamento).

A taxa de churn é simples de ser calculada. Basta dividir a quantidade de cancelamentos mensais pelo número de clientes ativos em sua base. Por exemplo, se 2 de um total de 100 clientes cancelaram suas assinaturas, sua taxa de churn é de 2%.

Você pode calcular também o churn (cancelamento) da receita mensal recorrente – o MRR churn. Então, se sua empresa tinha R$ 100 mil de faturamento e perdeu R$ 2 mil, o seu MRR churn foi de 2%.

Sozinho, porém, esse percentual nos diz pouco. Mas se ele for inserido em uma comparação com períodos mais longos, bem como com a taxa média de churn do setor, poderemos ter uma ideia mais nítida da aceitação ddo seu produto.

Caso queira saber mais a fundo as múltiplas maneiras de utilizar esse indicador, desenvolvemos um e-book que fala em detalhes sobre o churn.

Lifetime value ou valor do tempo de vida do cliente (LTV)

O valor do tempo de vida do cliente (do inglês lifetime value — LTV) diz respeito a quanto seu cliente pode acrescentar em suas receitas, ou seja, o potencial de vendas a um consumidor ao longo de um determinado período de relacionamento.

Essa métrica está diretamente ligada ao nível de satisfação de seu cliente, já que, em situação normal, um cliente satisfeito tende a ampliar seu pacote de serviços mais facilmente ou dar um upgrade em seus produtos, aumentando o ticket médio.

A conjunção do churn (cancelamento) com o LTV nos permite ter uma visão clara do tempo médio de relacionamento de um cliente e, assim, entender quanto ele agrega à empresa em termos financeiros.

Após o cálculo do tempo médio de um determinado consumidor em sua base ativa, basta multiplicar esse referencial pela receita média mensal. Por exemplo: se a média de permanência de um consumidor em sua base ativa é de 20 meses e o ticket médio deste é R$ 200,00, o LTV do seu cliente é de R$ 4.000,00.

Custo de aquisição por cliente (CAC)

O custo de aquisição por cliente (CAC) é um dos mais importantes referenciais para uma empresa SaaS. Isso porque indica quanto a empresa gasta com ações de marketing e implementação de estratégias de venda para conseguir converter um lead em um cliente efetivo. Nesse custo entram campanhas de outbound e inbound marketing, impressões de catálogos, salário com vendedores etc.

O objetivo da empresa deve ser sempre minimizar o CAC e ampliar o ticket médio dos clientes já existentes, pois essas medidas aumentam o faturamento mensal. Entretanto, se o CAC está excessivamente alto (reduzindo sua margem de lucro), pode ser que a área de marketing esteja direcionando esforços em ações de baixo retorno.

Vale a pena lembrar que quem trabalha com software como serviço deve ter um LTV ao menos 3 vezes maior do que o CAC.

Taxa de conversão

Uma das métricas mais conhecidas do mercado, a taxa de conversão se refere ao percentual entre a relação de potenciais interessados em seu produto e os que efetivamente acabam se tornando clientes. Essa métrica é importante para medir a capacidade da empresa em monetizar seu modelo de negócios. Por exemplo, se a cada 100 prospects “evangelizados”, 20acabam adquirindo algum produto, sua taxa de conversão é de 20%.

Receita mensal recorrente (MRR)

Chamada em inglês de monthly recurring revenue (MRR), a receita mensal recorrente representa a previsão de receitas dos negócios que operam por meio de contratos de assinaturas.

O MRR irá indicar como gerenciar seu negócio nos próximos meses, indicando se é hora de buscar crescimento ou colocar o pé no freio. De acordo com especialistas, para o bem da saúde financeira da empresa, o crescimento do MRR deve ficar sempre, no mínimo, 5% sobre a taxa de churn.

Assim como os outros indicadores, o cálculo do MMR é bastante simples e consiste na multiplicação do total de clientes que estão em sua base ativa pelo valor mensal a ser pago em contratos de pagamento recorrente. Se uma empresa 100 clientes ativos, por exemplo, todos com um contrato de fidelidade de 12 meses e valor mensal a ser pago de R$100,00 por cliente, seu MRR deve ficar em R$10.000,00 por mês, totalizando R$120.000,00 em um período de 1 ano.

Ticket médio por cliente

Revela quanto, em média, um cliente gera a você. É obtido através da divisão do faturamento mensal pela quantidade de clientes em sua base ativa.

Como os dados se tornam informações gerenciais?

Ter tão somente os dados brutos pouco ilumina os caminhos. Taxa de churn está em 5%? LTV é maior do que o CAC em 200%? Custo com suporte gira em torno de R$ 3.000,00?

Como você pode perceber, apenas ter esses números não nos permite diagnosticar com precisão os resultados da empresa.

É necessário conhecer bem seu setor de atuação, elaborar benchmarkings que permitam comparar os resultados com os líderes de mercado, além de, é claro, trabalhar todos esses percentuais através de um sistema de gestão de assinaturas e pagamentos recorrentes, como o Superlógica Assinaturas.

De posse dos dados, quais perguntas devem ser respondidas?

Uma vez que relatórios detalhados tenham sido gerados a partir dessas métricas, cruzando os percentuais e revelando sua evolução ao longo dos anos, o gestor deve conseguir responder aos seguintes questionamentos:

  • Qual nível de penetração do meu produto no mercado?
  • Os clientes têm aceitado as inovações feitas no produto?
  • As medidas adotadas, nos últimos tempos, têm se mostrado eficazes na retenção de clientes?
  • O custo de aquisição do cliente compensa seu ticket médio e o LTV (lifetime value)?
  • Meu negócio é realmente viável?
  • O que deve ser melhorado? Produto? Marketing? Retenção?
  • De quais alavancas o time de gestão deve lançar mão para amplificar o negócio?
  • É hora de acelerar o crescimento ou pisar no freio?

Percebeu que todos esses indicadores de desempenho são instrumentos de apoio à tomada de decisões? Assim como sem uma bússola não é possível atravessar o oceano, sem métricas empresariais não é possível expandir seus negócios!

Caso queira se aprofundar ainda mais no estudo das métricas como ferramenta de apoio para alavancar seu negócio, baixe nosso ebook sobre métricas para negócios de assinaturas.

Comentários

comentarios

1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.